Pela primeira vez, cientistas usam DNA para infectar computador

[12/08/2017]

Pesquisadores recomendam melhoria de segurança nos softwares e monitoramento das amostras que serão sequenciadas - Dennis Wise/University of Washington


O sequenciamento de material genético é um procedimento cada vez mais barato e corriqueiro. Se o Projeto Genoma custou cerca de US$ 3 bilhões no fim do século passado, hoje os testes de DNA mais simples custam menos de US$ 100. Pensando nisso, pesquisadores da Universidade de Washington levantaram preocupação sobre a segurança cibernética de equipamentos que estão na fronteira entre sistemas biológicos e eletrônicos e, pela primeira vez, conseguiram inserir códigos maliciosos em uma sequência de DNA e infectaram um computador usado no sequenciamento.


— Nós não queremos alarmar as pessoas ou preocupar os pacientes sobre testes genéticos, que podem fornecer informações incrivelmente valiosas — ponderou Luis Ceze, professor associado de Washington e coautor do estudo que será apresentado na próxima semana em seminário sobre segurança cibernética. — Nós queremos dar às pessoas a noção de que com a aproximação dos mundos moleculares e eletrônicos, existem interações potenciais que realmente precisamos contemplar.


Segundo os pesquisadores, é possível, mas muito difícil, comprometer um sistema de computador com um código malicioso escondido num DNA sintético. Quando o material genético é analisado, ele o código é executado. Não existem evidências que a técnica já tenha sido explorada por hackers, mas o experimento comprova que existem falhas de segurança nos equipamentos usados em sequenciamentos, que podem dar aos atacantes capacidade de manipular resultados ou acessar informações genéticas de outras pessoas.


— Nós nos perguntamos se seria possível usar moléculas biológicas para infectar um computador pelo processamento normal do DNA — comentou Peter Ney, que também participou da pesquisa.


Os pesquisadores identificaram diversas técnicas que um hacker poderia usar para comprometer um sequenciador, mas a mais fascinante é pela inserção de códigos maliciosos numa sequência de DNA. Os especialistas também fizeram recomendações para fortalecer as defesas na síntese, sequenciamento e processamento de materiais genéticos.


— Uma das grandes coisas que tentamos fazer na comunidade de segurança de computadores é evitar situações em que dizemos: “droga, os adversários estão aqui batendo na porta e nós não estamos preparados — disse Tadayoshi Kohno, coautor do estudo.


O DNA é, em seu cerne, um sistema que codifica informações em sequências de nucleotídeos. Por tentativa e erro, os pesquisadores encontraram uma forma de incluir um código executável, similar aos conhecidos malwares, em sequências de DNA sintético. Quando esta sequência é processada, o código é executado.


Teoricamente, a técnica é simples. Os computadores leem sequências binárias, de “0” e “1”. Como o DNA tem quatro bases, cada uma representa um par binário. No caso, o “A” representa “00”; o “C”, “01”; o “G”, “10”; e o “T”, “11”. O código tinha 176 bases, resultando num programinha de 44 bytes.





Alguns são escritos em linguagens vulneráveis a ataques, em parte porque eles foram desenvolvidos primeiramente para pequenos grupos de pesquisa, que não precisavam se preocupar com a segurança.


Para aumentar a segurança, o estudo recomenda que o setor siga melhores práticas no desenvolvimento de software, incorporem o pensamento hacker quando os processos forem criados e monitorem o controle das amostras físicas de DNA, verificando as fontes antes de elas serem analisadas.



Via: oglobo

Outras Noticias

[13/10/2017] -

10 dicas para fazer seu PC funcionar mais rápido

O passar dos anos normalmente é cruel com os computadores, principalmente os com Windows. É normal eles perderem desempenho e tarefas que antes pareciam triviais começarem a demorar uma eternidade para serem concluídas. Há algumas soluções que podem ajudar a acelerar o desempenho do seu computador que parece estar nos últimos dias.

[13/10/2017] -

12 Dicas para Economizar Tinta na Sua Impressora

Um dos maiores vilões para quem utiliza impressoras é o alto gasto com recargas e cartuchos de tinta. A verdade é que os cartuchos custam bem caro, e tendem a secar mais rápido do que você espera. Porém, com o passar do tempo, aprendemos que não precisa ser assim. Economize tinta e dinheiro seguindo nossas dicas sobre como utilizar sua impressora de maneira inteligente.

[09/10/2017] -

Impressora não aparece no Windows 10, como resolver?

Se você tem uma impressora antiga e o Windows 10 não consegue detectá-la imediatamente, é possível dar uma ‘força’ ao sistema para que ele reconheça o dispositivo de forma automática. No entanto, nem sempre esse procedimento funciona; caso a impressora não apareça na lista de dispositivos, você precisará instalar o driver manualmente.